A trama (ou tramoia) em favor de Lula nos gabinetes do STF

Compartilhe nas suas redes sociais!

Não fosse a atuação extremamente incompetente do abobalhado Cristiano Zanin, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva hoje não mais estaria preso em Curitiba.

Em meados de junho de 2018, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Sepúlveda Pertence estava em adiantado estágio de negociação na Corte para conseguir a prisão domiciliar.

Lula, num autêntico espetáculo de politicagem, declarou que não aceitava a prisão domiciliar, que pretendia que sua ‘inocência’ fosse reconhecida. Jogava para a plateia. Mera encenação.

Naquele momento, Zanin, o advogado tolo, comportou-se como militante e encarnou o discurso ‘político’ de Lula, desautorizando de maneira até humilhante, Sepúlveda a dar continuidade em seu trabalho.

Zanin não suportava a ideia de ter perdido o protagonismo na defesa do ex-presidente. Pessoa ‘pequena’, fez o que fez. Ato contínuo, o ex-ministro pediu para sair e as negociações em andamento foram encerradas.

Porém, com a nova condenação de Lula, ante a iminência de que brevemente ele seja encaminhado para um presídio comum, crescem no STF as confabulações.

A tendência na votação marcada para 10 de abril é de que a prisão em 2ª instância seja mantida.

Assim só restaria para o meliante petista a possibilidade da prisão domiciliar.

É esta a intenção de alguns ministros. Desnecessário declinar os nomes.

Óbvio que Lula irá aceitar. Seu maior temor é ser encaminhado para um presídio comum.

Zanin, por sua vez, sai profissionalmente ainda mais desmoralizado.

É esse o quadro que se desenha. Para mudá-lo, só a pressão da sociedade.

Amanda Costa

Jornal da Cidade Online


NOSSO GRUPO NO WHATSAPP! Entre aqui!

Participe dos debates nos grupos!

Compartilhe nas suas redes sociais!