PREPARANDO O TERRENO: Brasil ‘não sabe o que é ditadura AINDA’, diz presidente eleito

Compartilhe essa notícia!

Bolsonaro fala por telefone com líder húngaro de direita e diz que será ‘grande parceiro’
Para Bolsonaro, Hungria ‘sofreu muito’ com comunismo e ‘sabe o que é ditadura’.

Brasil ‘não sabe o que é ditadura ainda’, declarou presidente eleito em entrevista no Rio de Janeiro.
O presidente eleito Jair Bolsonaro conversou por telefone com o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, e afirmou nesta segunda-feira (19) que pretende ser “grande parceiro” dele.

Líder de direita, Orbán se destaca, segundo avaliações de agências internacionais, pelos discursos xenófobos e por medidas que isolam a Hungria da Europa.

Em setembro, por exemplo, o Parlamento da União Europeia decidiu punir a Hungria por ignorar regras democráticas de maneira “persistente”.

“[A Hungria] é um país que sofreu muito com o comunismo no passado, é um povo que sabe o que é ditadura. O povo brasileiro não sabe o que é ditadura ainda, não sabe o que é sofrer na mão dessas pessoas. E ele [Orbán] está muito feliz com a nossa eleição e nós, com toda certeza, seremos grandes parceiros para o futuro”, declarou Bolsonaro em entrevista no Rio de Janeiro.

Segundo o jornal “O Globo”, na conversa por telefone, Orbán sinalizou a Bolsonaro que estará presente à posse do presidente eleito, em 1º de janeiro, em Brasília.

Ditadura
Bolsonaro afirma frequentemente que o Brasil não viveu uma ditadura entre 1964 e 1985, mas, sim, um “regime com autoridade”.
Ao votar a favor do impeachment de Dilma Rousseff, por exemplo, homenageou o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, reconhecido pela Justiça de São Paulo como torturador durante o regime militar. Para Bolsonaro, Ustra é um “herói brasileiro”.

Segundo a Comissão da Verdade, 434 pessoas foram mortas pelo regime ou desapareceram durante o período – somente 33 corpos foram localizados.
Diante disso, a comissão entregou em 2014 à então presidente Dilma um documento no qual responsabilizou 377 pessoas pelas mortes e pelos desaparecimentos durante a ditadura.
Na ditadura, que durou 21 anos, não houve eleição direta para presidente, O Congresso Nacional chegou a ser fechado, mandatos foram cassados e houve censura à imprensa.

Fonte: G1


NOSSO GRUPO NO WHATSAPP! Entre aqui!

Participe dos debates nos grupos!

Compartilhe essa notícia!